A fundação de Bill Gates vai patrocinar uma revolução nos preservativos, ao doar 100 mil dólares a um centro de investigação ligado à Universidade de Manchester que lidera a investigação. São cerca de 75 mil euros para criar um preservativo mais resistente e que não retira prazer.

Os novos preservativos serão feitos de um material revolucionário. O grafeno é o material mais fino e resistente conhecido até hoje. Descoberto em 2004 pela Universidade de Manchester, no Reino Unido, tem sido alvo de pesquisas para a sua utilização nos mais variados produtos. Os preservativos são um deles, mas também se estuda a sua aplicação em smartphones, por exemplo.

A descoberta valeu aos cientistas Andre Geim e Kostya Novoselov o prémio Nobel da Física em 2010.

A instituição do fundador da Microsoft vem permitir o desenvolvimento deste material em preservativos, tornando-os mais seguros e um travão à propagação do vírus VIH.

Salif Sowm, diretor da fundação na área da Sida, afirmou que «redesenhar um preservativo que reduz o transtorno e a perda de prazer, é uma arma contra a pobreza», cita a BBC.