O Gmail, do Google, foi bloqueado na China após meses de interrupções do maior serviço de email do mundo. Um grupo de ativistas anti censura sugere que a culpa é do Governo, que coloca restrições à utilização da Internet, noticia a Reuters.

Vários endereços do Gmail foram cortados na China na sexta-feira, de acordo com o GreatFire.org, um grupo de defesa de liberdade de expressão com sede na China. Utilizadores afirmaram que o serviço ainda está sem funcionar esta segunda-feira.

«Eu acho que o Governo está a tentar eliminar a presença do Google na China e até a enfraquecer o seu mercado no exterior», disse um membro do GreatFire.org, que utiliza um pseudónimo.

«Imagine se os utilizadores do Gmail não puderem entrar em contato com clientes chineses. Muitas pessoas fora da China podem ser forçadas a deixar o Gmail», acrescentou.


Um relatório recente da Google mostra que o fenómeno se agravou por estes dias. Desde sexta-feira que o acesso ao Gmail caiu de forma vertiginosa. Um porta-voz da empresa no continente asiático terá adiantado que «não há nada de errado» do lado da Google, que providencia o serviço. O que quer dizer que é na própria China que estará a origem do problema.

«Nós verificámos e não há nada errado do nosso lado», referiu num email um porta-voz da Google em Singapura.


O site Tech Crunch explica que, anteriormente, as pessoas ainda podiam fazer o download de mensagens através de apps como o Apple Mail e o Microsoft Outlook. Antes ainda se podiam utilizar serviços como Internet Message Access Protocol (IMAP), para aceder aos emails. Mas também este tipo de serviços parece ter sido bloqueado pela firewall da China.

A China mantém um controlo apertado do uso da Internet, impedindo quaisquer sinais de dissidência ou desafios ao Partido Comunista.