publicou esta explicação no Google+ no ano passado:

Depois de muito debate, decidimos não prosseguir com um silenciador de separadores, porque isto cruza uma linha muito importante: Se nós fornecermos no Chrome opções para conteúdos, significa que estamos a permitir que o Chrome deve assumir responsabilidades ao nível da política de conteúdos.

Hoje, é normal que os utilizadores fiquem zangados com o comportamento inadequado de determinados conteúdos, que produzem sons irritantes através de “auto playings”. No entanto, os utilizadores devem continuar a fazer pressão nesses sites para que estes alterem esta prática. Além disso, há quem diga que já existe um botão de “mute” no lado direito do indicador de áudio (o "X"). Com toda a  seriedade, muitas páginas da web vão registar [o que estavam a mostrar] quando os utilizadores deixam o site. Assim, o encerramento do separador será um sinal muito forte para os sites de que os seus anúncios irritantes estão a assustar todos os seus utilizadores.

Nos casos de conteúdo não intrusivo, consideramos que é razoável para um utilizador clicar no separador e usar os controlos de conteúdo para parar a reprodução. Neste caso, um silenciador (mute) seria redundante. No entanto, esta redundância não é positiva, já que pode confundir os utilizadores (por exemplo,  reproduzir um vídeo e esquecer-se de que o separador foi silenciado há alguns dias); e, com base na experiência, muitas pessoas ficaram confusas, relatando com frequência comportamentos inesperados nos browsers, o que seria uma grande grande dor de cabeça para as equipas de apoio ao cliente.