"Estamos longe de ter um tratamento com base nisso, mas é emocionante pensar que um dia poderemos ser capazes de interromper a 'poda sináptica' em alguns indivíduos e diminuir o seu risco", disse Beth Stevens, neurocientista que trabalhou no novo estudo, citada pela Science.