Já se imaginou a poder regenerar as suas feridas e cicatrizes tão rápido como o herói da «Marvel» «Wolverine»? Ainda que a ciência esteja longe de tal feito, pode dizer-se que já faltou mais.

Cientistas da universidade médica de Harvard identificaram o gene responsável pela acelerada regeneração de feridas e lesões, altamente ativo em bebés ainda na barriga da mãe, e que vai perdendo força ao longo do crescimento.

Segundo informações do «Daily Mail», o gene «Lin28a» foi testado em ratos de laboratório e provou curar mais rapidamente ferimentos, nas orelhas dos ratinhos por exemplo, bem como acelerar a reposição de pelo previamente rapado.

O «Lin28» conseguiu estes efeitos ao aumentar a produção de enzimas metabólicas e ao destacar processos metabólicos que são mais ativos em embriões.

Os cientistas de Harvard responsáveis pela descoberta acreditam que ao «acordar» este gene em adultos, este poderá ajudar na mais rápida cicatrização de tecidos após operações, por exemplo.

George Daley, um dos investigadores, acredita que pode até ser preparado um medicamento que produza os mesmos efeitos sem ser necessário «o despertar» do gene.

«Soa como ficção científica, mas o Lin28 pode ser parte de um cocktail de recuperação que fornece aos adultos a qualidade superior de regeneração vista em animais juvenis», disse Daley.

«O porquê de alguns animais conseguirem regenerar órgãos completos, quando outros não conseguem, é um grande mistério da biologia. Os nossos estudos mostram que o conceito de que a reparação de tecido de mamíferos pode ser substancialmente melhorada pela engenharia», continuou.