Uma foto de um pai com o filho mais velho a ter contacto pele a pele com gémeos prematuros foi partilhada esta semana na Internet e tornou-se viral de imediato. A imagem publicada no Facebook mostra um menino em topless embrulhado em roupa de cama e mantendo o irmão recém-nascido junto ao peito, enquanto o pai faz o mesmo com o outro bebé no Hospital Hvidovre, em Copenhaga, na Dinamarca.

A publicação, da autoria da organização NINO Birth, com sede na África do Sul, explica que o contacto pele a pele é uma prática comum na Suécia, em que os bebés prematuros são retirados das incubadoras e mantidos junto ao corpo dos progenitores para ajudar na recuperação.

No post, a NINO Birth explica que se trata de uma técnica especial para recém-nascidos que pesam menos de 700 gramas, e é recomendada para ajudar a manter a temperatura do corpo, em vez de se utilizar uma incubadora.

A publicação provocou reações imediatas de milhares de pais que partilharam a experiência que tiveram com os filhos quando tiveram de passar dias ou meses a fazer contacto pele a pele, especialmente em casos de recém-nascidos prematuros.

Também muitas mães fizeram comentários, em que lamentaram não ter tido a oportunidade, única e especial, de se relacionar dessa maneira com os filhos recém-nascidos.

De acordo com o Daily Mail, o especialista sueco Uwe Ewald foi ao hospital Hvidovre, na Dinamarca, para falar da prática revolucionária, em que até mesmo prematuros muito pequenos são retirados da incubadora para um contacto pele a pele com os pais, tanto quanto possível.

“Os bebés prematuros, nascidos três meses prematuramente, são colocados no peito do pai, em vez de sozinhos numa incubadora”, referiu o médico.

Uwe Ewald apontou que o peito do pai regula a temperatura melhor do que uma incubadora. O contato pele a pele ajuda o bebé a respirar melhor.

“A criança torna-se mais calma e ganha peso de forma mais rápida. Os estudos revelam que a flora bacteriana dos pais - em comparação com as bactérias hospitalares - reduz o risco de infeções graves nessas crianças delicadas”, rematou.

O bebé veste apenas uma fralda e um dos pais ou outro familiar fica em topless para dar a máxima de cobertura da pele ao bebé.