O «Admirável Mundo Novo» da tecnologia é o mote do 4.º encontro anual da Fundação Francisco Manuel dos Santos, que, pela primeira vez, sai de Lisboa para se realizar no Porto, na Casa da Música, a 12 de junho.

Este encontro da Fundação pretende debater e refletir sobre «o lado escuro e o lado claro» das novas tecnologias, designadamente «qual o impacto social» das mesmas e «que perigos e riscos comportam», disse Pedro Magalhães, comissário científico do encontro que apresentou a programação do evento.

«Eu Digital», «Vida Inteligente», «Economia 2.0» e «República Digital» são os temas do «Admirável Mundo Novo – O Futuro Chegou Cedo Demais?», que reunirão especialistas internacionais em diversos campos da tecnologia, das novas tendências e do digital, como o cientista David Brin, o autor e redator Evgeny Morozov, a cofundadora e diretora executiva do Grenspace, Ellen Jorgensen, e os professores Tyler Cowren e Andrew Chadwick, entre outros.

Segundo Nuno Garoupa, membro do conselho de administração da Fundação, o grande objetivo é conseguir captar os mais jovens – universitários - para o encontro, pois esta «nova geração está claramente afastada dos grandes espaços de debate da sociedade portuguesa».

O administrador salientou também que «o Porto é o princípio desta saída de Lisboa e outras se seguirão», sendo intenção levar «o debate sobre ideias e trabalhos da Fundação a vários pontos do país».

O aviso que Aldous Huxley, autor do «Admirável Mundo Novo», deixou em maio de 1958, ao afirmar numa entrevista que «não devemos ser apanhados de surpresa pelo avanço da nossa tecnologia», será assim objeto de discussão na Sala Suggia da Casa da Música, com capacidade para acolher cerca de 1.100 pessoas.

O encontro, que inclui almoço que será servido no parque de estacionamento da Casa da Música, prolongar-se-á até ao final do dia, custando a participação, através de inscrição feita exclusivamente online, três euros para estudantes, 15 euros até ao dia 10 de maio e 20 euros a partir do dia 11 de maio.

Robótica, 3D e ‘biohacking’ são alguns dos conceitos a abordar no encontro, que contará ainda com um momento de diálogo de Bruce Sterling, escritor, jornalista editor e critico, que será entrevistado por Jake Bowers, professor de Ciência Política e Estatística e investigador no Centro nacional de Aplicações de Supercomputação, na Universidade norte-americana de Illinois.

Pedro Magalhães concluiu que «há muita gente para quem isto significa muito pouco, no entanto, as vidas estão a ser transformadas ou vão ser transformadas» no médio longo/prazo pelos avanços tecnológicos, como reporta a Lusa.