Os utilizadores do novo relógio da Apple encontraram um problema de funcionamento no aparelho que força os utilizadores com tatuagens no pulso a, por exemplo,  introduzir repetidamente o código de segurança de acesso. A Apple já reconheceu o problema e explica que a falha está no sensor do relógio. 

O problema foi exposto por um proprietário do Apple Watch que se queixava não só, da perda regular de ligação ao relógio, mas também da imprecisão da frequência cardíaca. 

«O smartwatch bloqueava cada vez que o écran ficava escuro e pedia-me o código de acesso. Não recebia notificações. Não conseguia perceber porque o relógio perdia o contacto com a pele», conta o primeiro utilizador que expôs o problema no Reddit e no Youtube.

Normalmente, o código de acesso é pedido quando o aparelho, que anteriormente estava desconectado com o pulso, volta a encontrar pulsação. O Apple Watch não consegue detetar o pulso com tatuagens e, por esse motivo, os proprietários têm de introduzir repetidamente o código que permite o acesso ao relógio. 

De acordo com a gigante da tecnologia, o problema está no sensor do relógio que calcula a frequência cardíaca através da absorção da luz na pele. 

«Decidi colocá-lo na mão, visto que tenho o braço esquerdo todo tatuado até ao pulso, e funcionou lindamente. Quando voltava a metê-lo na zona tatuada com tinta preta, bloqueava automaticamente», conta o mesmo utilizador.