A segunda pessoa em França a receber um muito aguardado coração artificial de última geração morreu oito meses depois do transplante, indicou a empresa biomédica Carmat.

O homem de 69 anos, que quis permanecer anónimo, encontrava-se doente em estado terminal quando recebeu o coração experimental, que foi considerado uma solução de longo prazo para doentes com insuficiência cardíaca em fase final.

A Carmat, que concebeu aquilo que designa como o mais avançado coração artificial do mundo, afirmou que o doente foi hospitalizado na passada sexta-feira em “falência circulatória".