A mais famosa «selfie» internacional de 2014 é, provavelmente, a que foi publicada por Ellen Degeneres, que apresentou a cerimónia deste ano dos Óscares, em Hollywood, nos EUA. Por cá, a «selfie» que mais deu que falar envolveu Cristiano Ronaldo, a Seleção Nacional e Cavaco Silva. Foi um sucesso instantâneo nas redes sociais.

O fenómeno de tirar fotografias a si próprio espalhou-se e já são muitas as «selfies» que causaram sucesso.

As «selfies» são prática comum entre os atores: Angelina Jolie, Brad Pitt, Meryl Streep e Bill Murray já tiraram autorretratos, quer com fãs quer com outras figuras públicas. Mas os políticos não lhes ficam atrás: François Hollande, Angela Merkel, Mariano Rajoy, David Cameron e Barack Obama fazem parte da lista de Presidentes e primeiros-ministros que não resistiram ao clique instantâneo da câmara do smartphone.

E até o  o Papa Francisco já se rendeu. O Sumo Pontífice tirou recentemente uma «selfie» com jovens asiáticos no Santuário Solmoe, em Dangjin, na Coreia do Sul.

Além dessas fotografias, surgem outras que causam controvérsia. É o caso do médico que alegadamente causou a morte a Joan Rivers, por ter realizado uma biopsia às cordas vocais da apresentadora norte-americana. O clínico tirou uma fotografia com Joan Rivers enquanto ela estava sob efeito da anestesia.

Outra «selfie» que deu muito que falar é a de um homem que, supostamente, tirou uma selfie ao lado de um tornado. Isto apesar de existirem dúvidas sobre a autenticidade da fotografia.