«Estava no parque com a minha mulher porque ela nunca tinha visto um pica-pau verde e queria ver um», contou Martin Le-May, num email citado pelo jornal britânico «The Independent».

«De repente, ouvimos um som assustador de uma ave em sofrimento. Virei-me e vi o pica-pau esvoaçar a cerca de 30 ou 35 metros à nossa frente. Os seus movimentos eram estranhos, parecia que estava a pisar uma superfície quente», relatou.

«Então levantou voo novamente na nossa direção. Só então percebi que tinha algo pequeno e peludo nas costas e que estava a presenciar uma luta de vida ou de morte», prosseguiu.

«Nessa altura não sabia o que era. Não tinha uma cauda comprida como uma ratazana ou peluda como a de um esquilo. O pica-pau voou cerca de 15 metros e atingiu uma altura de cerca de dois metros antes de pousar mesmo à nossa frente, a cerca de 25 metros», continuou.

«Tememos o pior e caminhámos na direção dele pensando que o pica-pau tinha morrido. A nossa presença deve ter distraído temporariamente a doninha e ela soltou a presa. O pica-pau aproveitou a oportunidade e voou para uns arbustos. Dava para ver que estava abalado, mas sobreviveu», concluiu.