O governo do Irão deve legalizar, em breve, o acesso às redes sociais como o Twitter e o Facebook, segundo informações do ministro da cultura e assuntos islâmicos Ali Jannati, publicava o «Bloomberg».

«Não só o Facebook, mas outras redes sociais deverão estar acessíveis e a categorização de «ilegal» deverá ser removida», disse o ministro à agência de notícias das Repúblicas islâmicas.

Atualmente o Irão bloqueia certos websites considerados politicamente sensíveis, como é o caso das redes sociais que foram usadas em 2009 para organizar protestos contra o governo nas ruas.

O presidente Hassan Rouhani, eleito em junho, tem, no entanto, uma conta no Twitter com mais de 122 mil seguidores, e já afirmou que maior liberdade social e jornalística seria concedida, assim como uma redução do «policiamento» das vidas privadas dos iranianos.

Outros oficiais deste país como o ministro dos negócios estrangeiros Javad Zarif, e a porta-voz dos negócios estrangeiros Marzieh Afkham têm contas nas duas principais redes.

A lei que proíbe o uso do Facebook, Twitter, e outros websites do género levou a que muitos iranianos procurassem redes privadas provindas de computadores localizados fora do país, tudo para aceder aos websites sem os controlos do Estado.

Estima-se que, apesar de ilegalmente, cerca de dois milhões de iranianos tenham uma conta no Facebook.