O Governo argelino bloqueou, no domingo, o acesso a diversas redes sociais, como o Facebook e o Twitter, para evitar que os alunos copiassem nos exames. O acesso à rede 3G também esteve inoperacional.

Uma decisão tomada depois de terem sido divulgadas online questões que estariam presentes nos exames finais do ensino secundário.

A fuga de informação deu às autoridades competentes o poder para exigir que mais de meio milhão de alunos, concretamente 555.177, repetissem os exames.

O corte no acesso às redes sociais está diretamente relacionado com os exames que se realizam no domingo", disse fonte do Governo à agência de notícias estatal APS. Fazemos isto para proteger os alunos de informações falsas sobre os exames”, justificou, ainda, a mesma fonte.

No início do mês tinham já sido detidas dezenas de pessoas - entre as quais funcionários do Ministério da Educação e de empresas de impressão de testes - que poderiam estar envolvidas na fuga de informação sobre os exames de 2016.