Depois dos telemóveis, agora as máquinas de lavar. A gigante sul-coreana Samsung vê-se novamente envolvida em polémica: a Comissão de Segurança de Produtos para o Consumidor (CPSC) dos Estados Unidos denunciou que há máquinas de lavar roupa da marca que têm explodido em pleno funcionamento. A Samsung Portugal já veio esclarecer que estes modelos nunca integraram o leque de produtos comercializados no mercado europeu.

Segundo a CPSC, as queixas de vários consumidores dizem respeito a máquinas nas quais a carga é carregada pelo topo - as "Top-Loader". Tratam-se de equipamentos à venda no mercado norte-americano, fabricados entre março de 2011 e abril de 2016. 

Entretanto, uma sociedade de advogados norte-americana já anunciou que vai mesmo pôr a marca em tribunal, alegando que estas falhas podem provocar ferimentos ou danos nas propriedades.

“Há modelos que explodem no primeiro dia em que começam a funcionar, enquanto outros clientes já viram máquinas a explodir meses depois ou até mais de um ano depois da compra.”

A Samsung confirmou que está em contato com as autoridades norte-americanas, a fim de garantir a segurança dos clientes.

A marca disponibiliza no seu site um formulário através do qual o cliente introduz o número de série do aparelho e, deste modo, pode saber se tem ou não uma máquina afetada. Aos clientes visados, aconselha a utilização de um clico para roupa delicada, com baixa centrifugação. 

A gigante tecnológica ressalva , porém, que os casos de explosões são "raros".

“Em casos raros, as unidades afetadas podem apresentar vibrações anormais que colocam em risco a segurança das pessoas ou provocar danos nas propriedades.”

Os problemas nas máquinas de lavar surgem depois dos problemas nos telemóveis Galaxy Note 7.

A tecnológica sul-coreana foi obrigada a recolher 2,5 milhões de smartphones porque as baterias sobreaqueciam e, consequentemente, explodiam.