O primeiro jogo do Mundial do Brasil, no estádio Itaquerão, em São Paulo, pode tornar-se histórico desde o primeiro segundo. O jogo pode ser palco para a demonstração de uma inovação que pode mudar a vida de milhões de pessoas: um exoesqueleto que pode permitir a marcha de paraplégicos.

O pontapé de abertura do jogo Brasil ¿ Croácia pode mesmo ser dado por um paraplégico.

O exoesqueleto, desenvolvido por uma equipa de cientistas liderada por Miguel Nicolelis, um neurocientista brasileiro que trabalha na Universidade de Duke, nos Estados Unidos. O exoesqueleto faz parte de um projeto chamado Walk Again («Caminhar de Novo»).

O projeto é resultado de anos de investigação. Em 2003, Nicolelis mostrou que macacos conseguiam controlar os movimentos de braços virtuais, através da atividade de seus cérebros. Desde novembro, adianta a BBC, o investigador desenvolve testes e treinos com oito pacientes num laboratório em São Paulo. Especula-se que um deles possa dar o pontapé inicial do jogo inaugural do Mundial de Futebol.

«Nem eu posso falar sobre detalhes específicos de como será esta demonstração. Tudo está sendo discutido neste momento», adianta o cientista.