O número de utilizadores portugueses de redes sociais triplicou em sete anos, para 54,8% em 2015, e um terço das empresas usa estas plataformas, de acordo com estudos da Marktest e da IDC Portugal, respetivamente.

"Entre 2008 e 2015, o número de utilizadores de redes sociais em Portugal cresceu de 17,1% para 54,8%", disse à Lusa Esperança Afonso, responsável pelo estudo da Marktest "Os portugueses e as redes sociais 2015", tendo em conta que 65,4% dos portugueses usa a Internet.

Segundo o estudo, do total de páginas da Internet consultadas durante a navegação, 15% respeitava as redes sociais, responsáveis por 38% do tempo consumido a navegar na rede.

O Facebook é a rede social com maior taxa de penetração em Portugal, com 93,6%, seguido do YouTube (41,4%), Google + (40,2%), LinkedIn (37,3%), Instagram (28,9%) e Twitter (23,6%), segundo o estudo da Marktest.

Por exemplo, no ano passado, a utilização das redes sociais Instagram e Tumblr cresceu 31% face a 2014.

No que respeita às funcionalidades utilizadas pelos portugueses nas redes sociais, o estudo revelou que a maioria (78,1%) usa estas plataformas para enviar e receber mensagens, seguindo-se a visualização de vídeos (67,7%), sendo que esta última "apresenta uma tendência de crescimento", segundo Esperança Afonso.

Em terceiro lugar, os portugueses usam as redes sociais para comentar publicações de amigos (67,6%), seguido do uso de serviço de 'chat' [conversação] (64,4%).

Ler notícias em sites de informação (61,5%) e partilhar links (ligações) de artigos (54,6%) são outras das funcionalidades utilizadas pelos portugueses nas redes sociais.

O tempo dedicado às redes sociais, segundo o estudo da Marktest, é de 81 minutos por dia, sendo que as mulheres passam mais tempo, em média, do que os homens, com 92 minutos diários, só sendo ultrapassados pelos jovens com idades compreendidas entre os 15 e os 24 anos, que gastam mais de duas horas (122 minutos).

Os 'smartphones' (telemóveis inteligentes) são o segundo equipamento (58,1%) mais utilizado no acesso às redes sociais, depois dos computadores portáteis, sendo que "lidera em todos períodos [do dia para aceder às redes sociais] com exceção entre as 20:00 e as 24:00", adiantou a mesma responsável.

"Ainda estamos numa fase de crescimento das redes sociais em Portugal", concluiu Esperança Afonso.

A amostra deste estudo conta com 802 entrevistas a indivíduos com idades entre os 15 e os 64 anos residentes em Portugal Continental e utilizadores das redes sociais, entre 25 de maio e 05 de junho do ano passado.

No que respeita às empresas, apenas um terço (32,9%) afirma já ter adotado soluções de 'social business', que inclui as redes sociais, segundo o estudo da consultora IDC Portugal "IDC Portugal Tech Insights 2020" sobre 'Social Business'.

De acordo o estudo, representativo das 10.000 maiores organizações em Portugal, 25,7% das empresas afirmaram não ter adotado soluções de 'social business', mas disse ter planos para fazê-lo nos próximos 24 meses, enquanto 31,4% diz não ter adotado nem planear fazê-lo.

Além disso, 10% das empresas inquiridas afirmou não estar familiarizada com o conceito.

"Realmente ainda estamos longe de ter a maioria das empresas com soluções de 'social business'", afirmou à Lusa o diretor regional da IDC Portugal, Gabriel Coimbra.

Segundo o responsável, isso "mostra alguma imaturidade" face ao mercado europeu, "principalmente face ao mercado norte-americano".

Gabriel Coimbra disse que o atraso se deve "sobretudo a uma cultura empresarial ainda pouco sofisticada no que toca aos novos modelos de colaboração digital, quer com colaboradores, quer com clientes".

Relativamente a perspetivas, o responsável disse que nos próximos dois anos prevê "um incremento significativo", mas Portugal continuará "atrás dos níveis de adoção verificados na Europa Ocidental".

Em termos de utilização das empresas das redes sociais, o Facebook lidera, com 70,4% das organizações a afirmarem já terem criado uma conta, seguida do LinkedIn, com 53,6%, do Youtube, com 43,9%, e do Twitter, com 41,9%, de acordo com a Lusa.