Uma investigação com cães em que participaram duas universidades espanholas demonstrou que os tratamentos que utilizam células estaminais obtêm um resultado significativo e duradouro nos doentes com artrite, foi esta sexta-feira divulgado.

A investigação foi realizada por cientistas das Universidades de Las Palmas de Gran Canária e de Valência, que contaram com a colaboração de investigadores da Universidade de Bolonha (Itália) e da Fundación García Gugat para a investigação biomédica, segundo a agência noticiosa espanhola EFE.

Os cientistas injetaram células estaminais nas ancas de cães da raça Dogue Canário que sofriam de osteoartrite (doença crónica comum, causada pelo desgaste e destruição das superfícies articulares).

O seguimento que foi feito daqueles cães durante seis meses prova «objetivamente, através de estudos biomecânicos, que existe uma grande melhoria duradoura», informou a Universidade de Las Palmas de Gran Canária (ULPGC).

O tratamento foi testado em cães daquela raça porque são animais pesados e fortes, oferecendo um modelo cujos resultados «podem extrapolar-se facilmente para o ser humano», indicaram os responsáveis do estudo, publicado na revista «BMC Veterinary Research».

A ULPGC recordou que as doenças reumáticas estão entre os mais frequentes problemas de saúde crónicos nos adultos em Espanha.