O nível de corrupção de uma sociedade influencia a honestidade dos seus cidadãos, sendo que quanto mais propensa ela for a contornar as normas, menos honestos tendem a ser os indivíduos, conclui-se num estudo publicado esta quinta-feira na revista Nature.

O académico da universidade inglesa de Nottingham Simon Gäechter e Jonathan F. Schulz, da universidade norte-americana de Yale, investigaram como “a prevalência da violação de normas no contexto social das pessoas, como corrupção, evasão fiscal ou fraude política, pode influenciar a honestidade intrínseca do indivíduo”.

A conclusão, indica a revista, é que “as pessoas que vivem em sociedades mais corruptas têm mais probabilidades de ser desonestas que as que habitam em sociedades onde se desaprova a violação das normas”.

Para provar a teoria, os cientistas elaboraram um índice de 159 países conforme a saúde de suas instituições nas categorias corrupção, evasão fiscal e fraude política, tomando dados de 2003, o primeiro ano em que essas informações foram disponibilizadas.

Depois realizaram uma experiência com 2.568 jovens de 23 países representativos do cenário mundial, entre eles China, Alemanha, Indonésia, Quênia, Suécia, Reino Unido e Colômbia.

A experiência consistia na possibilidade de mentir para benefício próprio sem que ninguém descobrisse.

Fechados sozinhos numa cabine, os voluntários tinham que jogar duas vezes um dado e informar depois o primeiro número que tinham tirado.Quanto maior fosse o número maior seria a quantidade de dinheiro recebida.

Se as pessoas estivessem a ser honestas, todos os números tinham a mesma probabilidade de sair. Se não, os especialistas podiam calcular a distorção.

"Não podemos dizer a nível individual se os voluntários foram ou não honestos, mas dentro de um grupo de pessoas, podemos extrair conclusões pelas leis da estatística", explicou Gäechter, professor de Psicologia na Tomada de Decisões.

"O que ficou claro imediatamente nos resultados é que, apesar de algumas trapaças, as pessoas são surpreendentemente honestas no mundo todo, visto que nesta experiência podiam enganar com total impunidade", afirmou Gäechter. E acrescentou: "Não vimos mentiras flagrantes em nenhum país".

No entanto, os cientistas detectaram que os cidadãos que moravam em países com níveis de corrupção mais elevados tendiam a dizer que tinham tirado os números mais altos (e que rendiam mais dinheiro) que os de sociedades menos corruptas.

"As pessoas limitam o seu nível de desonestidade conforme o que percebem como aceitável na sua sociedade e o que observam ao seu redor", explicou Gäechter.

Também foi possível constatar que as pessoas no mundo todo tendem a "trapacear um pouquinho" em seu favor.

Na experiência, isso traduziu-se no facto de que, em vez de informar o primeiro número tirado, as pessoas diziam o número mais alto em qualquer das duas jogadas.

De acordo com Gäechter, isto confirma a teoria psicológica de que "a pessoa quer manter uma imagem positiva de si mesma como honesta, por isso só ludibriará um pouquinho em seu benefício, o que lhe permite manter essa imagem própria".

"Caso um indivíduo viva numa sociedade onde toda a gente quebra as normas, tem mais possiblidades de pensar que fazer isso é bom", declarou Gäechter.

Os cientistas asseguram que as instituições frágeis, que permitem a corrupção e outras violações, "não têm efeitos económicos negativos apenas para as sociedades, mas também para a honestidade intrínseca dos cidadãos".