Os seres humanos, vermes e as moscas têm mecanismos moleculares comuns apesar de estarem separados por centenas de milhões de anos de evolução, segundo um estudo publicado esta quarta-feira pela revista «Nature».

De acordo com a publicação científica, a descoberta do processo pelo qual a informação hereditária incluída no gene, como por exemplo a sequência do ADN, é processada, será útil para ajudar na pesquisa de células e compreensão do aparecimento de doenças.

Dois estudos realizados por cientistas das universidades norte-americanas de Harvard e Stanford convergem na ideia de que mesmo que os humanos, vermes e moscas tenham pouca semelhança, a sua evolução teve ferramentas moleculares muito parecidas para os moldar.