“Se conseguir continuar, a vida vai levar muitos milhões de anos a recuperar e a nossa própria espécie deve ser das primeiras a desaparecer”, afirmou o principal investigador, Gerardo Ceballos, da Universidade Autónoma do México.