Se pensa que uma educação religiosa vai garantir valores como a generosidade e o altruísmo nos seus filhos, fique a saber que pode não ser bem assim. Pelo menos é esta a conclusão de um novo estudo que indica que as crianças que provêm de famílias religiosas são menos generosas do que as de famílias que não são crentes.

A investigação de sete universidades de todo o mundo teve em conta crianças entre os cinco e os 12 anos, de famílias religiosas e sem religião.

Para testar o seu nível de generosidade, os cientistas deram 30 autocolantes às crianças e disseram-lhes que podiam ficar com 10. Depois da seleção, poderiam dar autocolantes a outros alunos da escola, para que pudessem brincar com eles.

Os investigadores mediram então a quantidade de autocolantes que as crianças tinham oferecido e perceberam que os filhos de casais que não tinham religião foram os que partilharam mais. Em média, deram 4,1 autocolantes, enquanto as crianças que tinham famílias religiosas ficaram-se pelos 3,3.

De acordo com o The Telegraph, os resultados obtidos não variaram de acordo com o meio, o estrato social, a nacionalidade ou a idade das crianças.

Contudo, o estudo ressalva que as crianças que tiveram uma educação religiosa são mais sensíveis à injustiça.

O estudo analisou 1.170 famílias, das quais 510 eram muçulmanas, 280 católicas, 18 budistas e cinco hindus. Das restantes, 323 não tinham religião, três eram agnósticas e duas identificavam-se com outras crenças.