Cientistas verificaram que amostras de ossos, dentes, pele, cabelo e fezes atribuídas a nove espécimes de Abominável Homem das Neves, criatura mitológica gigante dos Himalaias semelhante a um macaco, eram de cão e ursos, foi hoje divulgado.

O estudo em causa, a ser publicado na revista científica britânica Proceedings of the Royal Society, incidiu sobre o ADN (material genético) de amostras de nove supostos Ieti (nome por que é também conhecida a criatura bípede).

As amostras, recolhidas nos Himalaias, a mais alta cadeia montanhosa do mundo, e no planalto do Tibete, são provenientes de museus e coleções privadas.

A análise genética revelou que um dos 'Ietis' correspondia, afinal, a um cão e os restantes oito a ursos-negros asiáticos, a ursos-pardos dos Himalaias e a ursos-pardos tibetanos.

Claramente, uma grande parte da lenda Ieti tem a ver com os ursos", sustentou a coordenadora do estudo, Charlotte Lindqvist, da Universidade de Buffalo, nos Estados Unidos.

Para a bióloga e professora, citada em comunicado da universidade, "a ciência pode ser uma ferramenta útil para explorar as raízes dos mitos sobre as criaturas grandes e misteriosas".

O novo estudo genético, que o grupo de Charlotte Lindqvist considera ser mais completo do que outros que foram feitos em busca do presumível ADN do Abominável Homem das Neves, poderá ajudar também a resolver um mistério científico, o de como os ursos asiáticos evoluíram.

Os cientistas sequenciaram o ADN mitocondrial de 23 ursos asiáticos, incluindo os oito falsos Ieti, e compararam os dados genéticos com os de outras espécies de ursos.

Das análises realizadas, a equipa concluiu que os ursos-pardos do Tibete partilham um antepassado comum próximo com os ursos da América do Norte, da Europa e da Ásia, enquanto os ursos-pardos dos Himalaias pertencem a uma linhagem evolutiva diferente.

A divisão terá ocorrido há cerca de 650 mil anos, durante o período glacial, de acordo com os investigadores.