Mais de 40 telescópios são instalados no fim de semana em Moimenta da Beira, para participar numa concentração onde, pela primeira vez, cegos poderão observar o céu em tempo real.

A concentração de telescópios de Moimenta da Beira - que tem como ponto alto a observação noturna do céu no sábado à noite - vai na sua quarta edição e é organizada pelo Clube das Ciências da Escola Básica e Secundária do concelho.

«As expectativas são bastante grandes. Atendendo ao número de pré-inscrições feitas, que não são obrigatórias, vamos ultrapassar as anteriores edições em número de pessoas e de telescópios», disse à agência Lusa Paulo Sanches, coordenador do Clube das Ciências.

Até hoje, já mais de 150 pessoas de fora de Moimenta da Beira, de norte a sul do país, fizeram a pré-inscrição.

«Mas há muitos astrónomos que aparecem sem fazer a pré-inscrição. Por isso, a expectativa é que ultrapassaremos os 42 telescópios da primeira edição», afirmou.

Segundo Paulo Sanches, há cerca de três semanas, numa conversa com uma colega, surgiu a ideia de, durante a concentração de telescópios, possibilitar uma observação do céu, em tempo real, a invisuais.

«Percebi que íamos precisar de webcams, computadores, impressoras normais e impressoras térmicas, porque o objetivo é imprimir em papel com relevo o que estamos a observar no momento», explicou.

Na terça-feira, o docente conseguiu reunir as condições e dessa forma, no sábado à noite, será possível alguns cegos participarem na observação noturna do céu.

A iniciativa «O céu nas tuas mãos - astronomia tátil» será dinamizada em parceria com Lina Canas, do NUCLIO - Núcleo Interactivo de Astronomia.

A concentração de telescópios de Moimenta da Beira realizou-se pela primeira vez em 2009, no âmbito das comemorações do Ano Internacional da Astronomia.

«Foi uma ideia que tive. Pensei: se se faziam concentrações de motas, porque não haveria de fazer uma concentração de telescópios?», contou Paulo Sanches, acrescentando que «era uma atividade apenas para esse ano», mas o seu sucesso levou à continuidade.

Na sua opinião, o céu de Moimenta da Beira, no interior norte de Portugal, é ideal para a iniciativa.

«Não há tanta poluição luminosa e como vamos para um sítio alto (o recinto do Santuário de São Torcato, em Cabaços) e temos o cuidado de desligar a iluminação pública, ainda mais escura fica a noite», sublinhou.

Nesta iniciativa, cujo programa integra a realização de várias palestras durante a tarde de sábado, participam sobretudo astrónomos, mas também professores de outras escolas e pessoas que sentem curiosidade pela astronomia.

«Mas, além das pessoas que participam no programa todo, a partir das 21:30 chegamos a receber lá em cima (no recinto do santuário) 200 pessoas que não se inscreveram», para a observação noturna, acrescentou.