O maior radiotelescópio do mundo está a ser construído na China. A invenção pode ajudar a desvendar se de facto estamos sozinhos no universo.

O Radiotelescópio Esférico de 500 metros de Abertura, ou FAST, tem, como o próprio nome indica, 500 metros de diâmetro - o que equivale a 30 campos de futebol. A estrutura imponente, que foi construída pelo programa espacial chinês, pode mudar a forma como vemos o universo e, até, averiguar se há vida noutros planetas.

O radiotelescópio está quase completo e os media chineses já começaram a divulgar imagens incríveis do dispositivo gigante.




De acordo com a CNN, assim que o projeto estiver terminado, será possível detetar sinais de rádio ou de vida em milhões de estrelas, planetas e galáxias. Os criadores do FAST, que vai estar terminado em 2016, afirmam que o dispositivo vai conseguir captar ondas de lugares a mais de dez mil milhões de anos-luz.
 

“Um radiotelescópio é como um ouvido sensível, que escuta mensagens importantes vindas do espaço. É como identificar o som de cigarras durante uma tempestade”, explicou  Nan Rendong, um dos cientistas responsáveis pelo projeto.


A construção deste telescópio gigante vai também poder proporcionar a criação de uma estação espacial na Terra para futuras missões no espaço.

A estrutura pode ajudar a descobrir se em planetas como o Kepler-452b, o  mais parecido com a Terra, até agora, há sinais de vida.

Até ao momento não havia qualquer tecnologia que pudesse apurar esta possibilidade, mas os cientistas garantem que com o FAST será possível resolver alguns dos maiores mistérios do espaço.

“Vai ajudar-nos a procurar vida inteligente fora da nossa galáxia e explorar as origens do universo”, disse Wu Xiangping, da Sociedade Astronómica Chinesa.


O dispositivo começou a ser construído em 2011, num dos locais mais remotos da China, na província de Guizhou, para que houvesse menos interferência de ondas rádio possível.