A Google, criada em 1998 por dois estudantes da Universidade de Stanford, tornou-se em 15 anos num verdadeiro gigante da Internet, com 50 mil milhões de dólares de faturação, 10 mil milhões de lucro e quase 45.000 funcionários em todo o mundo.

«Uma conquista nada má em apenas uma década e meia», sintetizou o presidente executivo da empresa, Larry Page, no comunicado oficial divulgado aquando do anúncio dos resultados financeiros de 2012.

Na altura, o gigante norte-americano reportou um aumento de 32% nas receitas, para 50 mil milhões de dólares, já incluindo os rendimentos resultantes da Motorola Mobility, adquirida pela Google em maio do ano passado.

Superando as previsões dos analistas, o lucro líquido da companhia registou, em 2012, um crescimento de 26%, passando de 8,5 mil milhões de dólares em 2011 para 10,74 mil milhões de dólares em 2012, tendo as receitas com publicidade representado 95% da faturação, atingindo os 43 mil milhões de dólares.

Já este ano, Larry Page veio anunciar «um ótimo [segundo] trimestre», com as receitas a aumentarem 19% em termos homólogos, para 14 mil milhões de dólares.

«A mudança de um ecrã único para múltiplas plataformas e a mobilidade criam enormes oportunidades para a Google. Com mais dispositivos, mais informação e mais atividade online do que nunca, o potencial para melhorar ainda mais a vida das pessoas é imenso», antevê o administrador executivo.

Foi com o colega de Stanford Sergey Brin que Larry Page criou, em meados de 1996, um motor de pesquisa inicialmente apelidado de BackRub, que utilizava links para determinar a importância das diferentes páginas Web.

Os dois estudantes de doutoramento acabaram, depois, por rebatizar a ferramenta de Google, numa alusão ao termo matemático googol, referente ao dígito 1 seguido de 100 zeros, que pretendia indicar a quantidade de informação que o motor de busca podia processar.

A Google Inc. acabaria por nascer, efetivamente, em 1998, quando o cofundador da Sun, Andy Bechtolsheim, lhe passou um cheque no valor de 100.000 dólares.

A admissão da empresa em bolsa aconteceria a 18 de agosto de 2004, com 19.605.052 ações de classe A ordinárias, ao preço unitário de 85 dólares.

Desde então, as vendas e os lucros obtidos pela companhia no mercado de publicidade online têm sustentado uma consistente subida do valor dos títulos da Google, que, em outubro de 2007, bateram, pela primeira vez, os 700 dólares, rondando atualmente os 885 dólares.

Tendo como foco principal o motor de busca na Internet, a Google começou por ter como principal concorrente a Yahoo!, que liderava o setor quando nasceu a empresa de Larry Page e Sergey Brin, mas em poucos anos foi por ela destronada.

Desde então, a Google nunca mais perdeu a liderança de mercado, com dados recentes da comScore a atribuírem-lhe mais de 78% do mercado de buscas pela Internet, sendo a segunda posição ocupada pelo Bing, da Microsoft, lançado em 2009 e que detém cerca de 8% de quota.

Para além de difícil de superar na pesquisa online, a Google tem-se revelado muito forte em várias outras áreas, como a partilha de vídeos online (onde lidera com o YouTube, adquirido pela Google em 2006) e o serviço de webmail gratuito, com o Gmail.

Na área das redes sociais, onde a Google se lançou em 2011 com o Google+, a empresa tem como principal adversário o líder de mercado Facebook, enquanto, ao nível dos sistemas operativos, a Apple surge como a grande concorrente da Google.

Em 2012, a Google foi considerada a melhor empresa para se trabalhar pelo website money.cnn.com, pertencente ao canal noticioso norte-americano CNN, assumindo a liderança após o 4.º lugar obtido na lista de 2011.

Na base da escolha estiveram regalias como comida grátis nas cafetarias da companhia, parede de escalada, sala de bowling, massagens, modelação de sobrancelhas no escritório de Nova Iorque e, ainda, lavandaria grátis.