O fenómeno vai ser visível a partir de todo o território português e ilhas, ainda que apenas na sua forma «parcial», entre as 8 e as 10 da manhã (menos uma hora nos Açores), com a obscuridade a rondar os 65%.

 

O eclipse «total», em que a Lua tapa completamente o Sol, só poderá ser visto em alguns locais do norte da Europa, como as ilhas Faroé. No entanto, em zonas como Escócia, Gronelândia, Noruega e Islândia a obscuridade pode ultrapassar os 90%.

           

  

Segundo o «Daily Mail», com o crescimento na aposta das energias renováveis, nomeadamente a energia solar, a falta de luz do Sol pode causar falhas de energia em todo o continente europeu, especialmente na Alemanha, França e Itália, que já apostam fortemente nesta fonte de energia.

 

«Eclipses solares já aconteceram antes, mas com o aumento do [uso] da energia fotovoltaica, o risco de um incidente pode ser sério, se não se tomarem as devidas precauções», disse fonte do European Network Transmission System Operators for Electricity (ENTSO-E), organização de empresas europeias de distribuição de eletricidade.

 

 

A Alemanha por exemplo vai produzir cerca de 39 mil megawatts a partir da energia solar no próximo mês, já Portugal está menos vulnerável, uma vez que pode produzir apenas 322 megawatts.