Carmen Miranda faria, nesta quinta-feira, 108 anos e a Google não deixou o aniversário da cantora de Marco de Canavezes passar em branco. Esta quinta-feira, a artista foi o novo doodle e, como tal, aparece uma imagem dedicada a Carmen, na página inicial do motor de busca.

Este desenho não podia deixar de ser bastante colorido e repleto de dançarinas, o que nos remete de imediato à ideia que todos nós temos da portuguesa que emigrou para o Brasil, com frutas na cabeça. Este “chapéu” surgiu de grandes inspirações de Carmen, incluíndo os próprios vendedores de fruta.

Os seus temas musicais atravessaram gerações que conheciam – e conhecem – hits como o “Tico Tico no Fubá”, “Chica Chica Boom Chic”, “Mamãe eu quero”, “O que é que a baiana tem”, “Balancê”, entre tantos outros.

Carmen era o ideal de uma “artista completa” e multifacetada. Tanto a música, como a dança e o canto percorreram a sua carreira e lançaram-na para o estrelato. Foi recebida pelos palcos do teatro de revista, pelo grande ecrã e pela rádio.

Deu voz a mais de 300 canções e - adorada por uns e odiada por outros - podemos dizer que o seu sucesso começou logo com o lançamento do primeiro álbum, em 1929, mais famoso no Brasil.

Mas não foi a música que assegurou o lugar no pódio. Os filmes e os musicais americanos é que puseram o mundo de olhos na cantora, que acabou por morrer aos 46 anos, em 1955, vítima de ataque cardíaco fulminante.