O Dia Europeu da Internet Mais Segura assinala-se hoje com ações em todo o país que visam sensibilizar a população, em especial jovens e crianças, para uma «navegação segura e consciente» na Internet.

O Centro Internet Segura, projeto coordenado pela Fundação para a Ciência e a Tecnologia, inicia hoje mais de 600 ações de sensibilização em todo o país, que decorrem até 28 de fevereiro e envolvem cerca de 47 mil pessoas.

As atividades vão decorrer em mais de 250 escolas de país e também em bibliotecas públicas, câmaras municipais, juntas de freguesia, instituições de solidariedade social, Espaços Internet, Centros de Ciência Viva, Centros de Inclusão Digital, entre outros.

«Estar seguro online é uma questão de todos (...) e nós procuramos trabalhar com todo o tipo de instituições que têm contacto com o público de forma a podermos disseminar esta mensagem e fazer com que as pessoas tenham recursos e sejam capacitadas para poder navegar de uma forma segura na internet», disse à agência Lusa o coordenador do Centro Internet Segura.

A Guarda Nacional Republicana (GNR) e a Microsoft Portugal também promovem, durante esta semana, mais de 700 ações de sensibilização e formação dirigidas a alunos, professores, pais e encarregados de educação.

Realizadas por 311 militares dos núcleos Escola Segura dos comandos territoriais da GNR e mais de 200 voluntários da Microsoft, as ações são dirigidas a mais de 30.000 alunos do ensino básico e secundário de mais de 200 escolas do país.

«Estimular a aprendizagem sobre os perigos do mundo online e formas de utilização segura da Internet, nas suas diferentes dimensões: navegação, comunicação e socialização, responsabilização e proteção de dados pessoais», são os objetivos destas ações, referem a GNR e a Microsoft em comunicado.

Para assinalar a data, que tem este ano como tema «Juntos vamos criar uma Internet melhor», a Comissão Nacional de Proteção de Dados disponibiliza hoje, na sua página da internet, uma aplicação informática que protege os computadores pessoais de ataques informáticos quando ligados a redes wi-fi públicas.

Já o Instituto Português do Desporto e da Juventude (IPDJ), promove uma competição nacional para jovens até 30 anos.

Para participar basta produzir um vídeo de até 60 segundos, com referência aos temas «Juntos vamos criar uma Internet melhor» e à «Campanha contra o Discurso de Ódio Online», promovida pela Comissão Europeia e pelo IPDJ em Portugal.

«A Internet mudou, e continuará a mudar, a forma como vivemos, trabalhamos e nos relacionamos. Nunca, como agora, foi tão fácil e rápido trocar informação quebrando as barreiras do espaço e do tempo. Para acompanhar esta revolução é fundamental» ensinar aos utilizadores a «forma segura de usufruir» das suas «enormes potencialidades» e sensibilizá-los de que «uma utilização informada e responsável» contribui para elevar a sua qualidade, sublinhou Nuno Moreira.