Fatos, perucas, maquilhagem, acessórios, tudo é pensado ao pormenor para encarnar as mais variadas personagens do universo dos jogos, do cinema, dos comics, da manga e do animé. É praticamente impossível ficar indiferente: os cosplayers atraem as atenções de quem os rodeia e, na maior feira europeia de videojogos, a Gamescom, em Colónia, o NXT comprovou-o.

Estão presentes no evento com tudo aquilo que têm direito para melhor servirem a personagem: iluminação esmerada, vento a soprar nos cabelos… A pose é pensada com detalhe.

De lolitas a góticas, passando por super-heróis como o Homem-Aranha aos X-Men, ou até pelos soldados do videojogo «Call of Duty», o cosplay permite-nos viajar por um imenso imaginário de histórias. 

A maioria dos cosplayers opta por uma produção mais «low-cost», fazendo os fatos em casa, mas há quem invista muito na fatiota. Armaduras com lança mísseis não se constroem em casa.

Das 350 mil pessoas que visitaram a Gamescom, não é exagero dizer que cerca de 10 mil foram mascaradas.

É um mercado especializado com lojas, tasquinhas com roupa e acessórios por todo o lado, sobretudo na internet.  E há mesmo quem viva disto, a dar a volta ao mundo, de feira em feira.