O supercomputador de tratamento e validação de dados e de reconhecimento da linguagem natural, chamado Watson, vai ter uma versão em português. O anúncio foi feito esta terça-feira pelo presidente da IBM Portugal. É um supercomputador porquê? A sua popularização aconteceu quando derrotou os humanos num jogo de perguntas e respostas da televisão norte-americana, o «Jeopardy».

O facto de ter uma versão em português quer dizer, na prática, que o computador «vai entender o português e poder comunicar com o ser humano em português», explicou à Lusa António Raposo de Lima, à margem da conferência sobre as cidades do futuro.

Raposo de Lima recordou que existem outras línguas mais faladas no mundo, mas que o «português vem primeiro e não é por acaso». «Terá certamente que ver com o ecossistema português, que é muito reconhecido na corporation (empresa). Há outros países que falam a língua portuguesa e tem a ver com roadmaps (caminhos) que são defendidos e aprovados».

Esta escolha do português para o Watson, que processa os dados mais como um humano do que como um computador, deve ser um «orgulho», ao ser reconhecido que a «língua portuguesa é um património absolutamente insubstituível», congratulou-se o responsável.

O projeto vai ter os seus desenvolvimentos e nos «próximos meses» já se poderá anunciar alguma novidade, nomeadamente num setor, acrescentou ainda.

Com início na área da medicina, o Watson funciona depois de o utilizador teclar o gostaria de saber e a ferramenta cria, a seguir, resultados que explicam o porquê de determinadas coisas acontecerem e o que provavelmente irá ocorrer. «Esta informação é disponibilizada na terminologia que se utiliza normalmente no mundo empresarial, permitindo aos profissionais interagir com os resultados e colocar novas perguntas», segundo informação da IBM.