Uma equipa dos serviços de cardiologia e cirurgia cardiotorácica do Hospital de Santa Cruz foi distinguida com um prémio pelo trabalho desenvolvido na implantação de válvulas aórticas percutâneas em doentes potencialmente inoperáveis pela cirurgia convencional.

Segundo uma informação desta unidade de saúde, o prémio foi atribuído no XXXV Congresso Português de Cardiologia e distinguiu uma equipa multidisciplinar constituída por médicos, enfermeiros e técnicos dos serviços de cardiologia e cirurgia cardiotorácica deste hospital.

O trabalho distinguido visou 341 doentes portadores de estenose (estreitamento) aórtica grave, «considerados de alto-risco ou potencialmente inoperáveis para cirurgia convencional».

A válvula cardíaca artificial biológica foi colocada nos doentes por via de cateterismo e «os resultados obtidos são excelentes», acrescenta a informação. «A implantação de válvulas aórticas por cateter é muito importante por se tratar de uma técnica minimamente invasiva que é utilizada maioritariamente em octagenários com elevado risco operatório, permitindo reduzir o risco da intervenção e acelarando a recuperação dos doentes», lê-se na informação do hospital.

A estenose aórtica afeta 32 mil portugueses, atingindo um em cada 15 portugueses com mais de 80 anos.