Um investigador da Universidade do Minho recebeu uma "bolsa milionária" do Conselho Europeu de Investigação para estudar uma "nova forma de ligar vasos sanguíneos de pacientes e órgãos e tecidos fabricados em laboratório para transplante", anunciou hoje aquela academia.

Em comunicado, a Universidade do Minho (UMinho) explica que a bolsa de 1,5 milhões de euros atribuída a Rogério Pirraco, do Grupo de Investigação 3B's da Universidade do Minho, "são as mais prestigiadas e competitivas da Europa”, sendo atribuídas pela sexta vez ao Grupo 3B's, dirigido pelo professor Rui Reis.

Segundo o texto, aquelas bolsas ERC (Conselho de Investigação Europeu, na sigla em inglês) financiam "projetos individuais cuja seleção é fundamentada, em 50%, no currículo do investigador (deve estar no topo dos que trabalham na Europa) e em 50% na excelência do projeto a executar, o seu grau de risco e a abordagem radicalmente inovadora e nas fronteiras da ciência".

Rogério Pirraco apresentou o projeto "Engineered Capillary Beds for Successful Prevascularization of Tissue Engineering Constructs" e obteve uma ‘Starting Grant’ (Bolsa de Iniciação de Carreira do ERC), destinada a quem está a iniciar uma carreira independente e a estabelecer a sua própria linha de investigação, tornando-se assim mais competitivo em temos internacionais e aumentando a visibilidade da investigação europeia.

O investigador, explana, "quer desenvolver uma abordagem inovadora na criação de um leito capilar bioartificial, que sirva de interface entre órgãos ou tecidos fabricados em laboratório e a vasculatura de pacientes que deles necessitem", sendo que "essa interface permitirá uma fácil ligação cirúrgica entre os vasos sanguíneos dos pacientes e os órgãos e tecidos transplantados, facilitando a perfusão destes últimos e a sua viabilidade após o transplante".

O projeto multidisciplinar, lê-se, "integra conhecimento das Ciências da Vida, nomeadamente de biologia celular para o cultivo das células que darão origem a capilares sanguíneos, e da Engenharia, para a fabricação da estrutura tridimensional do leito capilar e a sua maturação através de um biorreator com componente microfluídica, na linha da chamada ‘investigação totidisciplinar’ do Grupo 3B's", que faz parte do Instituto de Investigação em Biomateriais, Biomiméticos e Biodegradáveis (I3Bs) da UMinho e está sediado no AvePark, em Guimarães.

"Esta bolsa resulta do meu empenho e, também, do contexto existente no Grupo 3B's, onde disponho do apoio incondicional do professor Rui Reis, cientista de referência mundial, e de condições únicas para desenvolver a minha investigação e, obviamente, para escrever projetos competitivos", diz, no texto, Rogério Pirraco.

Para o investigador, "é uma oportunidade única para desenvolver uma tecnologia capaz de superar o problema da deficiente vascularização de órgãos e tecidos desenvolvidos em laboratório, que é um dos maiores obstáculos à aplicação clínica de estratégias de Engenharia de Tecidos, com o potencial de tratar milhões de pacientes a necessitar de transplantes".

Neste concurso de 2018 de Bolsas de Iniciação de Carreira do ERC, Portugal obteve cinco bolsas, num total de financiamento atribuído de 7,2 milhões de euros, incluindo a de Rogério Pirraco.

A UMinho já conseguiu nos diversos concursos sete bolsas do ERC, sendo duas de iniciação de carreira (StG), três de consolidação de carreira (CoG) e duas bolsas avançadas para cientistas estabelecidos (AdG). Destas, seis foram atribuídas a investigadores do Grupo 3B's.