Um grupo de cientistas descobriu um mecanismo que pode evitar que a doença de Crohn degenere em fibrose, segundo um novo estudo publicado na revista 'Science Immunology', noticiou hoje a agência noticiosa espanhola Efe.

Os cientistas da Universidade da Columbia Britânica, no Canadá, descobriram, numa investigação com ratos, uma mutação que evita que os animais desenvolvam fibrose depois de serem infetados com um tipo de salmonela que produz os mesmos sintomas que a doença de Crohn.

Esta mutação nos ratos 'desliga' o recetor hormonal que se encarrega de estimular a resposta imunológica do organismo que leva os doentes com Crohn a desenvolverem fibroses.

"A fibrose é uma resposta a uma inflamação crónica, mas também é um processo que ocorre durante o envelhecimento normal; se pudermos evitar isto, basicamente encontrámos a maneira de promover a regeneração depois da degeneração", explicou o principal autor do estudo, Bernard Lo.

O passo seguinte depois desta descoberta será testar medicamentos para descobrir se podem para ou reverter a fibrose nos ratos, conclui a agência Efe.