Passos tem receita para o crescimento e emprego

Governo quer fazer da ciência e da tecnologia as grandes parceiras das empresas portuguesas

Por: tvi24 / CF    |   24 de Abril de 2012 às 12:26
O Governo quer fazer da ciência e da tecnologia «as grandes parceiras das empresas portuguesas» e «um dos principais motores do crescimento e do emprego» em Portugal, afirmação é do primeiro-ministro durante a conferência «Ciência 2012: Portugal - Caminhos de Excelência em Ciência e Tecnologia», na Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa.

Na sua intervenção, Passos Coelho defendeu que «a economia portuguesa precisa de um estímulo que tem de provir da inovação» e que é preciso «aproximar muito mais o laboratório da empresa» e «aproximar a empresa do laboratório».

«Não tenho dúvidas de que no século XXI haverá ainda muitos continentes por descobrir e que alguns desses novos continentes serão descobertos, uma vez mais, por portugueses».

Passos Coelho considerou que «foram feitos progressos importantes» na internacionalização e na expansão dos domínios da investigação científica portuguesa, acrescentando: «Mas ainda há muito por fazer, sobretudo quando nos comparamos com os líderes mundiais nestas matérias. E é com eles que nos queremos comparar».

«Queremos que a cooperação e o financiamento empresarial à investigação científica e tecnológica cresça muito mais, mas também queremos que as necessidades das empresas portuguesas e dos seus trabalhadores sejam mais tidas em atenção nos projetos de investigação. Queremos que o mercado recompense mais diretamente as boas ideias».

Como exemplos da ação do Governo, Passos Coelho apontou o já anunciado Programa de Investigação Aplicada e Transferência de Tecnologia para o Tecido Empresarial e a criação do Conselho Nacional de Ciência e Tecnologia, um órgão consultivo, referindo que este órgão «reúne vinte cientistas de diferentes áreas e gerações» e iniciou os seus trabalhos dia 6 de fevereiro, apurou a Lusa.
PUB
Partilhar
EM BAIXO: Pedro Passos Coelho, primeiro-ministro
Pedro Passos Coelho, primeiro-ministro
COMENTÁRIOS

PUB
Requisição civil permite realizar todos os voos previstos

Depois do braço de ferro com os sindicatos e de vários apelos, o Executivo anunciou em Conselho de Ministros que decreta a requisição civil para evitar a greve na TAP. Objetivo é minimizar o impacto da greve de quatro dias, entre o Natal e o Ano Novo, que foi convocada por 12 sindicatos para contestar o relançamento da privatização da companhia aérea. O anúncio foi feito pelo ministro da Economia, Pires de Lima, que justificou: é «uma situação excepcional»