Passos tem receita para o crescimento e emprego

Governo quer fazer da ciência e da tecnologia as grandes parceiras das empresas portuguesas

Por: tvi24 / CF    |   24 de Abril de 2012 às 12:26
O Governo quer fazer da ciência e da tecnologia «as grandes parceiras das empresas portuguesas» e «um dos principais motores do crescimento e do emprego» em Portugal, afirmação é do primeiro-ministro durante a conferência «Ciência 2012: Portugal - Caminhos de Excelência em Ciência e Tecnologia», na Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa.

Na sua intervenção, Passos Coelho defendeu que «a economia portuguesa precisa de um estímulo que tem de provir da inovação» e que é preciso «aproximar muito mais o laboratório da empresa» e «aproximar a empresa do laboratório».

«Não tenho dúvidas de que no século XXI haverá ainda muitos continentes por descobrir e que alguns desses novos continentes serão descobertos, uma vez mais, por portugueses».

Passos Coelho considerou que «foram feitos progressos importantes» na internacionalização e na expansão dos domínios da investigação científica portuguesa, acrescentando: «Mas ainda há muito por fazer, sobretudo quando nos comparamos com os líderes mundiais nestas matérias. E é com eles que nos queremos comparar».

«Queremos que a cooperação e o financiamento empresarial à investigação científica e tecnológica cresça muito mais, mas também queremos que as necessidades das empresas portuguesas e dos seus trabalhadores sejam mais tidas em atenção nos projetos de investigação. Queremos que o mercado recompense mais diretamente as boas ideias».

Como exemplos da ação do Governo, Passos Coelho apontou o já anunciado Programa de Investigação Aplicada e Transferência de Tecnologia para o Tecido Empresarial e a criação do Conselho Nacional de Ciência e Tecnologia, um órgão consultivo, referindo que este órgão «reúne vinte cientistas de diferentes áreas e gerações» e iniciou os seus trabalhos dia 6 de fevereiro, apurou a Lusa.
Partilhar
EM BAIXO: Pedro Passos Coelho, primeiro-ministro
Pedro Passos Coelho, primeiro-ministro
COMENTÁRIOS

PUB
Défice da Segurança Social já é duas vezes maior do que devia

Só até agosto, saldo negativo foi de 829 milhões de euros. Meta para todo o ano de 2014 era de 495 milhões. Relatório da UTAO indica, também, que pensionistas já deram 455 milhões ao Estado com contribuição extraordinária de solidariedade. Unidade técnica de apoio ao Parlamento critica, ainda, uso dos impostos para pagar despesa pública que não estava prevista