Yuan Longpin, nos seus 87 anos, é conhecido como o "pai do arroz híbrido", mais ainda após ter liderado a equipa que conseguiu plantar, colher e comercializar um novo tipo de arroz numa praia do mar Amarelo, com água salgada.

A notícia avançada pelo jornal South China Morning Post refere que, pelas contas de Yuan, a plantação do novo arroz poderá aumentar a produção chiensa de arroz em 50 milhões de toneladas anuais. O que significará alimentar mais de 200 milhões de pessoas.

Tudo porque a China tem um milhão de quilómetros quadrados de terrenos baldios, incultiváveis, por causa dos altos níveis alcalinos e salinos dos solos.

A safra deste novo arroz, cultivado na península de Shandong por iniciativa dos cientistas, produziu entre 6,5 e 9,5 toneladas de arroz na água salgada por hectare. Bastante mais do que as 4,5 toneladas esperadas.

Quem provou o arroz, segundo refere o South China Morning Post, gostou do paladar. Pagou, em moeda chinesa, cerca de 6,4 euros por quilo. Ou seja, oito vezes mais do que o preço praticado com o produto cultivado de forma tradicional, em rios, lagos e charcas de água doce.

Apesar do preço, em agosto, mais de mil pessoas compraram arroz híbrido pela internet. E já se venderam umas seis toneladas do produto.