Uma nova espécie de dinossauro foi identificada no sul do Chile, graças a um menino de sete anos. A criança, Diego Suárez, descobriu o fóssil quando procurava pedras apelativas. Por isso, o novo dinossauro ganhou o nome do menino e foi designado de Chilesaurus diegosuarezi.

Os pais da criança, Manuel Suárez e Rita de la Cruz, são geólogos e integraram a equipa de investigação que reuniu cientistas do Chile, da Argentina e do Reino Unido. Os investigadores descreveram à revista "Nature" esta nova espécie.

O dinossauro viveu na Patagonia chilena e pertencia à família dos tiranossauros, mas com uma particularidade muito peculiar: nunca se alimentava de carne.

Até agora, pensava-se que os primeiros dinossauros herbívoros tinham aparecido próximo da altura em que se deu a extinção dos dinossauros, há 65 milhões de anos. No entanto o  Chilesaurus diegosuarezi, que viveu há 145 milhões de anos, demonstra agora que, afinal, estes dinossauros que não comiam carne surgiram há mais tempo.

No total, os cientistas recuperaram vestígios de mais de uma dezena de exemplares, incluindo quatro esqueletos completos.

Os fósseis indicam que a maioria dos dinossauros tinha o tamanho de um peru, mas outros chegavam a medir três metros de altura.

Este é o primeiro dinossauro completo descoberto no Chile e um dos mais completos de todo o hemisfério sul, segundo o responsável do Museu Argentino de Ciências Naturais, Fernando Novas. 

“O Chilesaurus mostra quantos dados ignoramos sobre a diversificação dos grandes grupos de dinossauros."