É mais um episódio na recente saga dos problemas do Samsung Galaxy Note 7. Depois da empresa ter alertado para o perigo de explosão do aparelho, 

Nathan Dornacher tinha comprado o novo phablet da marca há apenas cinco dias quando o deixou a carregar no carro enquanto descarregava o veículo. O que Dornacher não esperava era ver o seu Jeep Grand Cherokee explodir e incendiar-se em frente à casa, em St. Petesburg, nos EUA.

Em declarações à Fox 13, o dono do carro afirmou não ter conhecimento do aviso da marca e que "nunca mais" vai deixar entrar "um produto da Samsung" em casa.

Já no Facebook, Dornacher garantiu que "não estão nem pediram nada". "Não vamos ter advogado, vamos repor as coisas quando conseguirmos", escreveu, acrescentando que a marca vai enviar um técnico para investigar o que aconteceu. 

Tudo o que queremos é que as pessoas pensem seriamente nisto e se não têm conhecimento disto, informem-se por favor. Tinha o telefone há cinco dias e não tinha conhecimento disto. Estamos todos bem, ninguém ficou ferido e isso é tudo o que importa". 

No início de setembro, a tecnológica sul-coreana admitiu ter conhecimento de 35 casos de defeitos graves com as baterias do Galaxy Note 7. Iniciou uma investigação, suspendeu as vendas e lançou uma campanha de recolha e trocas à escala global.