Um professor português de uma universidade canadiana desenvolveu uma vacina contra uma bactéria intestinal em crianças autistas, uma solução que irá permitir maior qualidade de vida aos portadores daquela deficiência. 

«Noventa por cento das crianças com autismo sofrem de diarreia e de constipações intestinais severas. Muitas usam fraldas ainda aos cinco e seis anos de idade, quando vão para a escola, devido a certas bactérias que existem nos intestinos dessas crianças com autismo», começou por explicar à agência Lusa Mário Monteiro, de 48 anos, professor de química da Universidade de Guelph, no sudoeste do Canadá.


Esta solução permite melhorar os cuidados de saúde, já que «o tratamento constante à base de antibióticos trazem outros problemas», salientou o imigrante português, que nasceu em Gouveia, distrito da Guarda, e vive no Canadá desde 1981.

Mário Monteiro disse que a sua equipa de vacinas da Universidade de Guelph está agora a desenvolver medicamentos que podem melhorar a condição das crianças autistas, com uma «nova geração de vacinas», que pode representar «um grande passo contra uma das responsáveis pela acentuação dos sintomas de autismo».

Estão em curso a decorrer ensaios preliminares da vacina, um projeto que já foi saudado por outras organizações da área.

Este trabalho já foi reconhecimento pela organização britânica Vaccine Nation em colaboração com a World Vaccine Congress na área das vacinas.

Em 2014, Mário Monteiro foi distinguido por aquele organismo como uma das 50 pessoas mais influentes em termos globais, na área das vacinas. Na lista encontram-se nomes como Bill Gates, fundador da Microsoft, do primeiro-ministro da Índia Shri Narendra Modi, e de Bruce Aylward, coordenador da Organização Mundial de Saúde na reação ao ébola na África Ocidental.

«A responsabilidade acrescida (da distinção) é bem vinda. Espero que governos e companhias farmacêuticas estejam mais dispostas a ajudar a ciência», concluiu.


Mário Monteiro é também um dos poucos investigadores de açucares complexos, existentes nas superfícies das bactérias.

A sua vacina para proteger as pessoas contra a Campylobacter jejuni, umas das principais bactérias que causa doenças intestinais transmitidas por alimentos em termos globais, foi aprovada para testes clínicos nos Estados Unidos, com a primeira fase a iniciar-se em maio de 2014.