A piscina natural mais profunda do mundo foi encontrada no Mar do Sul da China e tem 300.89 metros de profundidade. Os peritos chineses conseguiram descobrir a dimensão do “Buraco Azul” durante uma investigação que durou 10 meses, segundo o órgão de comunicação social chinês Huanqiu.

Com a ajuda de equipamentos que incluem uma sonda, correntes com capacidades de percorrer vários metros de baixo de água, bem como robôs e câmaras aquáticas, a equipa de investigadores conseguiu cumprir o objetivo de apurar a profundidade do buraco, tendo ainda descoberto que o “Buraco do Dragão” tem cerca de 130 metros de diâmetro, que se prolongam até aos 36 metros de profundidade. 

Graças à investigação, foram ainda detetadas cerca de 20 espécies marítimas nas profundezas desta piscina natural, localizada perto do maior recife de corais da China.  

Para ter noção da profundidade deste buraco, o edifício Shard de Londres, que mede 303 metros e é o maior da Europa, quase que caberia dentro do "buraco do dragão".

O edifício Shard é o mais alto da Europa

Até serem apuradas as medidas desta piscina natural encontrada ao largo das ilhas chinesas de Xisha, o “Buraco Azul de Dean”, nas Bahamas, que mede 202 metros de profundidade, era considerado o mais profundo do mundo.

Acredita-se que os buracos azuis se formaram durante as idades do gelo, quando o nível das águas do mar era cerca de 100 metros mais baixo do que nos dias de hoje. Estas formações resultam da combinação entre a erosão provocada pela chuva e o efeito químico provocado pelo calcário.