Os negros correm o dobro de risco de serem diagnosticados e de morrerem com cancro da próstata, por comparação com os brancos. É o que indica um estudo realizado no Reino Unido pelo Public Health England e pelo Prostate Cancer UK. Os resultados do estudo foram publicados pelo jornal online BMC Medicine.
 
 De acordo com a investigação, citada pelo jornal The Guardian, o risco para os negros de serem diagnosticados com a doença é de um para 12, enquanto o risco para os brancos é de um para 24. Já os asiáticos têm sensivelmente metade das hipóteses de ficar doentes, por comparação com os brancos – o risco é de um para 44.
 
O estudo não avança com explicações para os resultados obtidos, mas os investigadores sugerem que sejam feitos rastreios destinados ao público-alvo específico dos homens negros.
 

"Nós já sabíamos que os homens negros eram mais propensos a ser diagnosticado com câncer de próstata do que homens brancos. No entanto, os dados que tínhamos foram-se rapidamente desatualizando. (…) Estes números podem ser utilizados para ações de sensibilização orientadas e para ajudá-los a tomar uma decisão informada sobre se devem ou não fazer um teste de antígeno específico da próstata", disse Alison Cooper, do Prostate Cancer UK.

 
Os investigadores examinaram amostras de 25,6 milhões de homens, incluindo 102.252 casos confirmados de cancro na próstata e 26.521 mortes por causa da doença.