Uma empresa pretende garantir que nunca falte carne, nem animais, na China. Vai ser aberta a primeira “fábrica de clonagem” no país, que promete fazer mais de um milhão de cópias genéticas de animais de gado, por ano, e clonar cães pisteiros e animais de estimação.

Depois da Europa ter banido a clonagem de gado, em setembro, a empresa BoyaLife vai agora implementá-la no mercado chinês. E afirma que não há qualquer problema com a prática controversa.
 

“Deixem-me perguntar uma questão: foi banida com base na racionalidade científica, racionalidade ética ou agenda política? As legislações também estão por trás da ciência. Mas na área da clonagem, penso que estamos a ir pelo caminho errado e a matar a tecnologia”, afirmou o CEO Xu Xiaochun, ao The Telegraph.


Esta tecnologia tem crescido rapidamente na China, nos últimos anos, para tentar satisfazer a procura de carne no país, que está a aumentar. Por causa da escassez, desde 2000 os preços têm triplicado. Por isso, a empresa pretende clonar mais de um milhão de bezerros por ano.

Mas não só. A BoyaLife pretende dar aos clientes a possibilidade de clonar o seu animal de estimação, para não terem de lidar com a perda.

Promete também criar cães pisteiros especiais, pois considera ser possível escolher os genes que interferem nas características do animal.
 

“O cão tem de ser inteligente e obediente, forte e sensível. Isso só acontece num cão em cem. Por isso é preciso procurar entre muitos para encontrar este cão”.


A fábrica já está a ser construída e deve abrir já no próximo ano, em Pequim.