Depois de o Ashley Madison, um dos maiores sites de infidelidade do mundo, ter sido vítima de pirataria, alguns dos utilizadores enviaram pedidos para apagar as contas. Em Portugal, existem 120 mil membros do website, onde estão inscritas mais mulheres do que homens.

 De acordo com o " Correio da Manhã", a Avid Life Media, empresa proprietária do site, garante que “para já, não houve pedidos” para a eliminação de perfil, em Portugal.

O portal, onde as pessoas podem encontrar parceiros para uma relação extraconjugal, foi invadido por um grupo de hackers intitulado The Impact Team.

Os ‘piratas’ acusam a empresa de tirar partido de quase 2 milhões de dólares com o serviço de eliminação total de dados dos clientes. Mas segundo o Correio da Manhã, a Avid afirma que a “opção ‘hard-delete’, que permite ao utilizador apagar o perfil, é agora gratuita para os membros”.

The Impact Team exige que a página seja eliminada ou caso contrário, ameaçam divulgar as identidades dos clientes, fantasias sexuais e até dados de transações feitas com cartões de crédito.

Contudo, segundo noticia a Sky News, uma fonte do grupo, identificada como ‘Vinnie’, admite que o objetivo é fazer bluff para obter lucros com as informações.

“Eu não creio que vão divulgar [os dados]. Eles [os hackers] têm mais proveito se venderem [as informações] a outra pessoa ou então ao ‘Mercado Negro’. Eles vão lucrar em grande com isto, especialmente com o tamanho da base de dados”.


Relativamente ao risco das identidades dos utilizadores serem divulgadas, a Avid está a tentar tranquilizar os clientes, assegurando que “colocou imediatamente uma das melhores equipas do mundo de tecnologia de informação a tomar todas as medidas possíveis para minimizar o ataque”, tendo retirado com êxito os conteúdos já publicados na Internet.

A empresa, fundada no Canadá, está em Portugal desde 2013 e tem 37 milhões de utilizadores em cerca de 50 países.