Catorze dos 23 melhores hospitais na América confirmaram usar a aplicação «HealthKit» da Apple ou encontravam-se em negociações para fazê-lo num futuro próximo, revela a Reuters.  

A aplicação funciona como um armazém de informação sobre saúde, incluindo a pressão arterial, peso e frequência cardíaca do paciente. No entanto, qualquer pessoa, até o próprio paciente, pode ter acesso a estes dados.

Esta aplicação ajuda os médicos a monitorizar pacientes com condições crónicas, como por exemplo, doentes com diabetes e hipertensão. A recolha de dados funciona através de ferramentas que medem a glicose, acompanham o peso do paciente, entre outros.

Este software pode tornar-se numa grande fonte de rendimentos para a empresa Apple pois prevê-se que, em 2018, 70% das organizações de saúde em todo o mundo irão investir neste tipo de aplicações.

No futuro, prevê-se que a aplicação permita que os médicos consigam detetar sinais precoces de certas doenças, permitindo-lhes intervir a tempo.