logotipo tvi24

Steve Jobs «antecipou o futuro», diz Cavaco

Presidente da República lamenta perda de génio que mudou o mundo, numa mensagem publicada no Facebook

Por: tvi24 / PP    |   2011-10-06 15:38

O Presidente da República, Cavaco Silva, lamentou esta quinta-feira a «perda» do fundador da Apple, destacando que o seu «talento inventivo» e a sua «criatividade ímpar» mudaram o mundo, escreve a Lusa.

«O talento inventivo de Steve Jobs e a sua criatividade ímpar mudaram radicalmente o modo como, nos nossos dias, lidamos quotidianamente com a tecnologia. A sua morte é, sem dúvida, uma perda. Mas o seu exemplo e o seu legado perdurarão por muitos anos», afirma Cavaco Silva numa mensagem colocada na sua página na rede social Facebook.

Para o Presidente da República, «o mundo ficou diferente depois de Steve Jobs passar por ele».

«Há homens que criam mundos novos ¿ ou que mudam o mundo, tal como o conhecemos. Por isso os admiramos, como génios visionários, como personalidades que foram capazes de antecipar o futuro, trazendo-o para o presente de milhões de seres humanos», lê-se ainda no mesmo texto.

Steve Jobs, co-fundador da Apple, morreu na quarta-feira, aos 56 anos, vítima de cancro no pâncreas.

Partilhar
FOTOGALERIA:
Homenagens a Steve Jobs por todo o mundo

Steve Jobs, da Apple - EPA/JOHN G. MABANGLO EM CIMA: Steve Jobs, da Apple - EPA/JOHN G. MABANGLO

Descoberto primeiro assento de retrete de madeira romana
Objeto com quase dois mil anos foi encontrado por arqueólogos britânicos perto de Northumberland
Humanos, vermes e moscas têm mecanismos moleculares comuns
Dois estudos das universidades de Harvard e Stanford confirmam semelhanças na evolução das espécies, apesar das diferenças físicas atuais
Lobos também são contagiados pelos bocejos
Estudo da Universidade de Tóquio relaciona a descoberta com a capacidade de empatia destes animais
EM MANCHETE
«Com este Governo, todo o cuidado é pouco»
Seguro diz que não espera surpresas no Orçamento Retificativo que será apresentado na quinta-feira
Previsão do desemprego desce para 14,7%
Denúncia de mortes no Santa Cruz «não tem fundamento»