A partir desta quarta-feira, o Facebook vai começar a publicar notícias como se fossem posts originais. A aplicação Instant Articles" permite agora a visualização de conteúdo jornalístico no telemóvel ou  tablet de forma mais rápida e interativa. Ou seja, as notícias podem ser lidas de imediato na rede social sem necessidade de encaminhamento para a página online dos meios de comunicação que detêm a propriedade sobre a informação produzida. 

De acordo com o “The Verge”, a aplicação funciona apenas para os nove parceiros escolhidos pela rede social: o New York Times, a National Geographic, o BuzzFeed, a NBC News, a The Atlantic, o The Guardian, a BBC News, a Spiegel Online e o Bild.

Para já, a aplicação está disponível apenas para iPhone, ou seja, nos dispositivos com sistema operativo iOS. A versão para Android sairá em breve, escreve ainda o “The Verge”.
 
De acordo com um comunicado do Facebook, o acordo assinado permite que os nove novos parceiros passem a usar ferramentas que tornam 10 vezes mais rápida a inserção de notícias na rede social. 
 

“As pessoas partilham vários artigos no Facebook, especialmente na nossa app móvel. Contudo, hoje estas histórias demoram, em média, oito segundos a carregar, o que as torna, de longe, os mais lentos conteúdos do Facebook. O Instant Articles vai tornar o acesso à leitura 10 vezes mais rápida que o standard dos restantes artigos publicados na Internet», sublinha o mesmo comunicado.

 
Os “Instant Articles“, como o nome indica, são “Artigos Instantâneos” que carregam de forma quase automática e são elaborados pelos nove parceiros da rede social com uma interatividade que ainda tinha sido não explorada pelo Facebook.

Para além de mais rápidos, os artigos vão agora conter várias características para melhorar a experiência de leitura do utilizador e trazer as histórias à vida. Vai poder visualizar e ampliar fotos de alta resolução com gestos simples, ver os vídeos a funcionar automaticamente à medida que lê a notícia, “explorar mapas interativos, ouvir legendas audio e até mesmo gostar e comentar partes individuais de um artigo”, escreve o Facebook no site oficial.