O mais antigo jornal de Israel, o «Ha`aretz», chocou a Terra Santa ao usar um vídeo publicitário de sexo para promover a sua nova página na internet. O vídeo apenas foi transmitido online, mas a polémica já chegou ao parlamento israelita, escreve o «The Huffington Post».

Nas imagens podemos ver um casal a ter relações e a passar por várias posições. Enquanto a rapariga geme, o homem fala com a câmara de televisão. Queixa-se de que não está a aprender nada e diz: «Há uma ligeira sensação de "estive lá, fiz isto"». No fim, o rapaz conclui: «A vida não é tão interessante como o novo site do Ha`aretz». E a ideia original é mesmo essa, provar que o sexo não é tão bom quanto a nova página.

Os 53 segundos de duração do anúncio têm sido considerados pornografia, ainda que não explícita (soft porn). Pnina Tamano-Shata, vice-presidente do Parlamento israelita, já enviou uma carta ao diretor do jornal, Amos Schocken, exigindo que o vídeo seja retirado da internet e, ainda, que o «Ha`aretz» peça desculpa aos leitores pelo «sexismo flagrante» das imagens.

Alguns meios de comunicação social garantem, também, que vários funcionários do jornal assinaram uma petição queixando-se do «conteúdo pornográfico» e da visão sexista devido à ausência de diálogo da jovem no anúncio.

O anuncio já foi visto no Youtube por mais de 210 mil pessoas.