O primeiro-ministro defendeu esta terça-feira que a recente crise financeira demonstrou que os problemas são cada vez mais de ordem global e que as respostas exigem empenhamento coletivo e pragmatismo, apontando como exemplo o combate às alterações climáticas.

Estas posições foram assumidas por António Costa no Fórum de Líderes, no início do segundo dia da Web Summit, de acordo com notas da sua intervenção a que a agência Lusa teve acesso.

Nesta reunião, que decorreu à porta fechada, António Costa começou por referir que esta é a segunda vez que a Web Summit acolhe em Lisboa alguns dos "mais brilhantes" pensadores e quadros mundiais para, em conjunto, se analisar e falar sobre a situação do presente e os desafios do futuro a nível mundial.

Logo a seguir, o primeiro-ministro criticou as conceções isolacionistas no sentido de se encararem como problemas de outros - e não de todos - questões de ordem global.

Se aprendemos uma coisa nos últimos dez anos com a última crise financeira global, é que os problemas de outros se tornarão muito rapidamente problemas também nossos. O mundo é cada vez mais interdependente. E cada momento interessa a todos", sustentou António Costa.

António Costa apontou depois como exemplo de um problema de ordem global, que requer respostas urgentes, o combate ao aquecimento global.

"É hora de abraçar a urgência das soluções e agir em conformidade", declarou, numa parte da sua intervenção em que advogou a necessidade de uma perspetiva "otimista" perante as questões mundiais.

Um otimismo que, no entanto, de acordo com o primeiro-ministro português, "deve ser temperado com uma dose saudável de pragmatismo".

Neste curto discurso, que antecedeu a sua reunião com a comissária europeia para a concorrência, Margrethe Vestagen, também na Web Summit, António Costa sintetizou a sua posição com uma citação do filósofo canadiano Marshal McLuhan: "Não há passageiros na nave espacial da Terra, apenas tripulantes".

Se todas as mãos não estiverem no comando do navio para tornar realidade as soluções aqui pensadas, então não conseguiremos enfrentar os desafios que esses perigos e oportunidades se apresentam a todos nós", acrescentou.

Além do encontro com a comissária europeia para a concorrência, durante a sua presença na Web Summit, esta terça-feira, António Costa reúne-se também com a presidente da Câmara de Paris, Anne Hidalgo, e almoça com o primeiro-ministro do Luxemburgo, Xavier Bettel.

Na parte da tarde, já a bordo do Navio Escola Sagres, que está ancorado no Parque das Nações, o primeiro-ministro tem um encontro com investidores

A Web Summit decorre até quinta-feira, no Altice Arena (antigo Meo Arena) e na Feira Internacional de Lisboa (FIL), em Lisboa.

De acordo com a organização, nesta segunda edição do evento em Portugal, participam 59.115 pessoas de 170 países, entre os quais mais de 1.200 oradores, duas mil 'startups', 1.400 investidores e 2.500 jornalistas.

A cimeira tecnológica, de inovação e de empreendedorismo nasceu em 2010 na Irlanda e mudou-se em 2016 para Lisboa por três anos, com possibilidade de mais dois de permanência na capital portuguesa.