Um satélite da NASA está a acompanhar o progresso de um iceberg de 660 quilómetros quadrados que se desprendeu de um glaciar da Antártida e vai em direção ao mar aberto. Trata-se de um dos maiores blocos de gelo da atualidade, e tem uma área maior do que a cidade norte-americana de Chicago, refere a Sky News.

Além de uma área gigantesca, o iceberg possui pelo menos 500 metros de espessura. Conhecido como B31, o bloco de gelo descolou-se do glaciar de Pine Island, na Antártida, em novembro de 2013. A NASA está a monitorizar o trajeto do iceberg devido ao perigo que pode representar ao derreter e provocar um aumento do nível do mar.

Ainda que no oceano, o bloco de gelo não se encontra atualmente numa área com muitas rotas de embarcações. Os cientistas estão especialmente interessados no iceberg não apenas por causa do tamanho, mas também porque teve origem num lugar inesperado. A fenda no glaciar que criou o bloco gigante de gelo foi detetada pela primeira vez em 2011.

O glaciar de Pine Island tem sido estudado com muita atenção nas últimas duas décadas porque tem ficado mais fino e tem-se derretido de forma muito rápida. De acordo com os cientistas, pode dar uma contribuição importante no aumento do nível dos oceanos.

O iceberg atravessou a baía de Pine Island, no Mar de Amundsen, e logo deve ser arrastado pelas fortes correntes marinhas do oceano Antártico.

«Estamos a fazer pesquisas nas correntes locais para explicar melhor este deslocamento. É surpreendente observar que, em alguns momentos, quase não há movimento; em outros, o iceberg move-se de forma muito rápida», afirma à Sky News o cientista Grant Bigg, da Universidade de Sheffield, em Inglaterra.

«Em alguns momentos, o bloco de gelo deve ter colidido com o fundo do mar, pois ia de um lado da baía para o outro», acrescenta.