Há uma aplicação que está a mudar a forma como as pessoas na África Ocidental vivem a religião: chama-se 'Asoriba' e permite que os utilizadores tenham acesso à agenda de fim-de-semana da igreja e até podem fazer uma doação utilizando o cartão de crédito.

Dinah Colecraft, mora na capital de Gana, em Acra, e todos os dias, mal acorda, a primeira coisa que faz é aceder à aplicação e transferir uma oração, enviada pela igreja, através da aplicação.

A Asoriba foi considerada a melhor startup de África no evento "Seedstars World", que decorreu em Marrocos no último mês.

Em Gana, os cristãos costumam doar um décimo do ordenado mensal para a igreja. No entanto, é desconhecido o montante exato em circulação na igreja cristã do país, devido ao elevado número de pequenas instituições sem números coletivos.

Posso assegurar-lhe que as igrejas estão entre as organizações mais ricas do país", diz Nana Prempeh, co-fundador da Asoriba, em declarações à CNN.

Colecraft, que trabalha no Grac Gospel Ministries, utiliza a aplicação e mostra-se contente por poder contribuir para a igreja sem sair de casa.

É muito conveniente para fazer doações no meu telefone", afirma Colecraft, acrescentando que "no conforto da minha casa, posso contribuir para a igreja sem ter necessariamente de estar lá".

Na África Ocidental, cerca de 71% dos 26 milhões de pessoas são cristãs e, por isso, existe uma grande probabilidade da empresa avançar em larga escala.

Prempeh, co-fundador da aplicação, diz que a igreja usa as doações para financiar a educação e saúde.

A igreja é o centro da vida das pessoas em Gana" diz Prempeh. 

A aplicação tem, para já, inscritas cerca de 381 igrejas das 700 que existem em Gana, de acordo com o World Christian Database

O objetivo da Asoriba é interligar fiéis, que estão em viagem ou não podem assistir às orações, com a igreja, através do download da missa dominical ou transmissão ao vivo.

Para já, a aplicação só está disponível em versão Android, mas está prevista brevemente em iOS. Os fundadores querem também implementar na aplicação um sistema de ‘conversas’ onde os fiéis podem debater “temas sensíveis”, como o sexo e o casamento.