A maior aeronave do mundo embateu no solo, esta manhã, enquanto aterrava, no final do segundo voo de teste. O acidente teve lugar no Hangar de Airfield, em Bedfordshire, no Reino Unido. Não houve registo de feridos, mas foram identificados estragos na zona do cockpit.

O voo correu muito bem e o único problema foi quando [o Airlander 10] aterrou”, disse o porta-voz da empresa Hybrid Air Vehicles, responsável pelo projeto

O porta-voz garantiu, ainda, que foi aberto um inquérito às causas do acidente e que o sucedido não travará o desenvolvimento do projeto, sendo que a empresa pretende construir 10 aeronaves por ano, até 2021.   

O acidente aconteceu uma semana depois do voo inaugural desta aeronave e foi visto por várias pessoas que se encontravam no local para assistirem a mais um exercício de teste.  

Também na página oficial da aeronave uma nota dá conta daquilo que aconteceu, indicando que o aparelho voou durante 100 minutos quando, no regresso, a aterragem acabou por ser mal sucedida. Os danos na parte da frente do avião "estão a ser avaliados". 

O Airlander 10 é movido a hélio, um gás não-inflamável que consegue colocar a aeronave no ar, apesar de esta ter o tamanho equivalente a um campo de futebol e o peso igual a seis autocarros de dois andares.

Com 92 metros de comprimento, a aeronave é um híbrido de avião, helicóptero e dirigível, cujo projeto foi desenvolvido para usar menos combustível que um avião mas que, ao mesmo tempo, tem maior capacidade de carga – até às 10 toneladas.

Inicialmente, o projeto foi pedido pelas forças armadas americanas, que planeavam usar a aeronave em missões de reconhecimento e vigilância no Afeganistão, mas foi abandonado em 2013. Desde então, foi assumido pela Hybrid Air Vehicles, uma pequena companhia britânica do ramo aeronáutico.